17 Fev

Porto acelera reciclagem de resíduos verdes com o envolvimento de instituições do município


Depois da adoção de circuitos de recolha seletiva de resíduos verdes à porta dos munícipes, a empresa municipal Porto Ambiente em estreita ligação com a LIPOR, alargou a iniciativa a entidades que produzem em maior quantidade este tipo de excedentes verdes, com a colocação de 62 contentores em 27 locais estratégicos da cidade, como por exemplo na Associação de Moradores do Bairro Central de Francos e na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP).

A nova fase da iniciativa, implementada pela Porto Ambiente desde outubro do ano passado, visa disponibilizar desta vez às instituições, estabelecimentos de ensino, associações, prédios e urbanizações do município as condições necessárias para a correta deposição e recolha de resíduos verdes, com a colocação de contentores específicos de 1.000 litros.

Nas palavras do vice-presidente da Câmara do Porto, responsável pelo Pelouro da Inovação e Ambiente e Administrador da LIPOR, Filipe Araújo "Trata-se do início de um projeto de atribuição a instituições, associações da cidade deste tipo de contentorização para que eles possam depositar os seus resíduos verdes, separá-los do indiferenciado que era onde eles colocavam hoje em dia”.

Os resíduos verdes (excedentes provenientes da jardinagem, como relva, ramos, folhas e flores) representam 13% dos excedentes indiferenciados produzidos anualmente na área de influência do Porto, o que se traduz em cerca de 16.000 toneladas por ano de resíduos verdes que não são tratadas convenientemente. De forma a contribuir para a reutilização e reciclagem desta fração biodegradável, a empresa municipal associou-se à LIPOR neste projeto que visa evitar que este tipo de excedentes possa ir parar aos contentores de resíduos indiferenciados.

Após a recolha dos resíduos verdes pelos veículos do Município do Porto, o destino é a Central de Valorização Orgânica da LIPOR, onde, através de um processo de compostagem, será produzido o corretivo agrícola orgânico NUTRIMAIS - um adubo natural de alta qualidade -, que vai outra vez fertilizar os solos de cultivo a nível nacional. "Portanto, há aqui o verdadeiro fecho do ciclo numa lógica de economia circular que queremos obviamente potenciar”, acrescenta o vereador Filipe Araújo.

A par da distribuição de contentores e consequente recolha de resíduos verdes neste tipo de entidades, também os cidadãos podem reciclar os excedentes deste tipo que produzem nos jardins, através da deposição voluntária nos ecocentros. É também realizada semanalmente a recolha de resíduos verdes na área abrangida pelo projeto "Reciclar é Dar+", contando atualmente com 900 aderentes.

Financiado pelo programa POSEUR (Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos), o objetivo do projeto é ser alargado gradualmente, através da inclusão de mais aderentes, para que possa chegar a todo o município e contribuir para o processo de reciclagem. Até 2023, a legislação nacional prevê a obrigatoriedade da recolha seletiva de biorresíduos, uma meta que a cidade pretende cumprir.

Para que tal seja possível, a empresa municipal Porto Ambiente prevê novas candidaturas a financiamento comunitário, que permitam alargar o projeto de recolha seletiva de resíduos verdes no município.

Leia a notícia na íntegra aqui.

Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi